Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Sala de Imprensa Notícias 2020 Outubro Equipe estadual do Programa Criança Feliz lança cartilha instrutiva do Método CDC
27/10/2020 - 16h55m

Equipe estadual do Programa Criança Feliz lança cartilha instrutiva do Método CDC

Material servirá de orientação às equipes de 100 municípios do estado de Alagoas

Equipe estadual do Programa Criança Feliz lança cartilha instrutiva do Método CDC

Texto Karina Lima Moraes

 

A equipe estadual do Programa Criança Feliz (PCF), da Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social (Seades), produziu material instrutivo votado às equipes municipais do Programa. A cartilha “Método CDC para Todos os Tempos” servirá de orientação na aplicação adequada do Método às equipes do PCF presentes em 100 municípios do estado.

Desenvolvida a partir da necessidade de instruir corretamente o uso do método básico do Programa, principalmente durante a pandemia da COVID-19, a cartilha será entregue a todos visitadores, supervisores e coordenadores das equipes municipais. Impressa no quantitativo de 1.500 exemplares, a distribuição aos municípios ocorrerá a partir da primeira quinzena de novembro 2020. A equipe estadual entrará em contato para a retirada do material na própria Seades.

O Secretário de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social, Silvio Bulhões, fala da relevância do PCF. “Uma das ações que a gente destaca é o Programa Criança Feliz, coordenado pela Seades. O programa é executado em 100 municípios de Alagoas e apresenta excelentes resultados na Primeira Infância, que é uma das ações que vai receber grandes investimentos do governo do estado de Alagoas”.

E avalia a importância desse material no desenvolvimento das ações da assistência social. “Hoje eu quero destacar o trabalho excelente feito com muito cuidado e  carinho pela equipe do Criança Feliz. A equipe desenvolveu a cartilha ‘Método CDC em Todos os Tempos’ para fornecer mais um instrumento importante para as equipes municipais de assistência social poderem atender ainda melhor às famílias em vulnerabilidade social participantes do Programa”.

A cartilha contém uma linguagem simples, de fácil entendimento; está recheada de imagens instrutivas do Método Cuidados para o Desenvolvimento da Criança (CDC) no ambiente familiar; tem uma apresentação leve, que ressalta os aspectos lúdicos próprios do Método. A equipe estadual do Programa Criança Feliz utilizou imagens de crianças da sua própria família para demonstrar a aplicação prática de um dos princípios que regem o PCF.

Simone Sampaio, coordenadora estadual do Programa Criança Feliz, explica as motivações para o desenvolvimento da cartilha. “Todo trabalho se torna materializado a partir de um registro. A cartilha é um registro e um instrumento de trabalho. Para a equipe estadual, ela é motivo de orgulho. A grande importância da cartilha é saber que a equipe, a partir de um método existente, fez uma leitura acessível para que os visitadores a usassem no período de pandemia. Ela também veio para instrumentalizar a visita remota”..

O método exposto na cartilha pode ser consultado numa dinâmica intersetorial, mas ele está voltado às equipes do PCF. “A cartilha vem do Método CDC. Quem vai utilizá-la como instrumento foi capacitado pela equipe da Seades. Como consulta, como registro, ela serve a qualquer pessoa estudiosa da Primeira Infância, mas, para usar o Método, é preciso ser capacitado. Essa capacitação só pode se feita pela equipe estadual ou equipes da Secretaria Nacional da Primeira Infância”, explica Simone Sampaio.

 

PROGRAMA CRIANÇA FELIZ EM ALAGOAS

 

Em Alagoas, o PCF é coordenado pela Seades, com uma equipe composta por uma coordenadora estadual e cinco multiplicadoras. 

Os municípios alagoanos, segundo dados de agosto de 2020, contam com 122 supervisores municipais e 770 visitadores. 

A principal ação do Programa Criança Feliz é a realização de visitas domiciliares feitas pelos visitadores na residência das famílias incluídas no PCF.

Estudos mostram que as visitas domiciliares são efetivas no fortalecimento dos vínculos familiares e no desenvolvimento das competências da família em relação às crianças. 

As visitas domiciliares ajudam na prevenção, proteção e promoção do desenvolvimento infantil na Primeira Infância (de 0 a 6 anos de idade).

O público prioritário do PCF são gestantes; crianças de até 3 anos (famílias beneficiárias do Bolsa Família); crianças de até 6 anos (famílias beneficiárias do BPC), e crianças de até 6 anos, afastadas do convívio familiar.

Ações do documento